Favoritos Recomende

AÉREO CRUZEIROS DICAS HOSPEDAGEM INFORMAÇÕES PARQUES SERVIÇOS TERRESTRE

TURISMO ECOLÓGICO
 
:: Águas da Prata :: Machu_Picchu
:: Analândia :: Majorlândia
:: Bonito :: Maragogi
:: Caledônia :: Morro Branco
:: Canoa Quebrada :: Parajuru
:: Caponga :: Peito de Pombo
:: Chapada Diamantina :: Porto das Dunas
:: Chapada dos Veadeiros :: Redonda
:: Foz do Iguaçu :: Salto dos Macacos
:: Ilha do Mel :: Serra do Cipó
:: Imperador :: Serra da Canastra
:: Itatiaia :: Três Picos
 
Águas da Prata

Águas da Prata está localizada no Estado de São Paulo, na divisa com o sul do Estado de MG, a aproximadamente 130km de Campinas.

Considerada uma estância hidromineral, Águas da Prata, além da suas águas, oferece inúmeras cachoeiras em meio às trilhas da Serra da Mantiqueira, o que a torna atrativa para o turismo ecológico.

Tem cerca de seis cachoeiras com destaque para o Pico do Gavião, um dos mais altos da região; ponto freqüentado pelos praticantes de Vôo Livre e Paraglyder, com um visual belíssimo, onde podemos avistar mais de doze cidades.

A caminhada tem nível de dificuldade leve, com trilhas curtas e muitos lugares para banho.

 

 

 

Analândia

O município de Analândia está localizado a aproximadamente 130km de Campinas, na região norte do estado de São Paulo.

Uma região dotada de belezas naturais, e têm grande potencial para esportes de ação, tais como escalada, rapel e canyoning.

No roteiro, caminhadas pela trilha, observando os visuais em "relevo de cuesta" e também os Morros do Cuscuzeiro e Camelo, localizados um ao lado do outro e ambos de extrema beleza. As caminhadas são de nível de dificuldade leve.

 

Bonito

O município de Bonito, está localizado próximo a região sul do Pantanal, no estado do Mato Grosso do Sul. Essa região é rica em calcário, que propicia o surgimento de diversas grutas, existem diversas nascentes e ressurgências de rios e cachoeiras dos mais diversos tipos e tamanhos, tudo com águas incrivelmente cristalinas.

Os principais atrativos de Bonito são as nascentes e os rios, os quais devido ao fundo de calcário possuem águas extremamente claras e límpidas, além de uma flora e fauna aquática abundante e diversificada, com diversos tipos de peixes como Piraputangas, Dourados, Cações de rio, Pintados, caranguejos e muitos outros.

 


Dentre todos os passeios existentes em Bonito destacam-se: as nascentes Olho D’Água no Rio da Prata, do rio Sucuri e da Baía Bonita (Aquário Natural), as Cachoeiras do Rio do Peixe e do rio Aquidaban, a Gruta do Lago Azul e um rafting pelo Rio Formoso para depois curtir um churrasco na Ilha do Padre (Ilha fluvial). Os passeios são leves, as trilhas são curtas e há muito mergulho livre (máscara e snorkel) nos rios que são um verdadeiro paraíso debaixo d’água. Os coletes salva-vidas, máscaras e snorkels já estão incluídos nos passeios, mas podemos alugar roupas de neoprene para maior conforto nos passeios. Em Bonito o turismo é controlado e organizado de forma a sempre preservar esse paraíso e impedir que ele se acabe devido ao grande número de turistas que o visitam por ano.

Veja mais

 

Caledônia

A partir do Centro de Nova Friburgo pode-se tomar o ônibus rumo ao bairro do Cascatinha. O ônibus passa antes pelos bairros de Olaria e Cônego respectivamente. Salte no ponto final do ônibus entre à primeira direita e boa caminhada!
Após saltar do ônibus e entrar à primeira direita, você vai passar em frente ao Camping Clube Caledônia onde há uma placa que informa sobre a pavimentação da estrada feita em 1983, que vai bem próximo ao topo do Pico.
Esta pavimentação possibilita que carros de passeio cheguem até o fim da estrada, facilitando muito a caminhada para "aqueles que não gostam de andar", pois serão 7,5 Km a menos para caminhar morro acima! A maior parte desta pavimentação é calçada com paralelepípedos. Em seguida há um pequeno trecho em asfalto, que passa embaixo de um grande pedra, num local conhecido como mirante, perfeito para uma pausa a fim de apreciar o visual.

Após este asfalto inicia-se o trecho mais íngreme da estrada, formado pelo que chamamos de "pé de moleque". É neste trecho que geralmente muitos carros "fervem".
Para sorte nossa, logo no início deste trecho mais íngreme há uma queda d'água cristalina num local ótimo para um lanche (com água a vontade) e para retomar as energias.
Mais 15 minutos subindo e chega-se até uma rampa de asa delta. São poucos os que saltam de lá. Dizem que os ventos são "traiçoeiros" nesta montanha.
Pouco antes do fim da estrada, foi construída a casa dos guardas que vigiam o local. Para passar daí só deixando os documentos com os mesmos. O horário de visita é de terça-feira a domingo, entre 7:00 e 16:00 h.

A pavimentação foi construída para permitir o transporte de duas torres de 25 metros cada, que foram instaladas no cume da montanha. Estas torres são da Petrobrás e tinham a função de captar o sinal de rádio enviado pelas plataformas de petróleo que ficam no município de Macaé e retransmiti-los para o Rio de Janeiro.
Após a casa dos guardas se inicia a "Grande Escada", que foi construída em concreto, com cerca de 1,60 de largura, corrimão dos dois lados e aproximadamente 300 degraus. Ela vai até o cume da montanha e não apresenta nenhum risco, a não ser para aqueles que têm problemas de pressão, que devem subi-la lentamente.
A visão do Caledônia é magnífica. Tem-se um ângulo de 360 graus sem nenhum obstáculo. É possível ver a cidade de Nova Friburgo a frente, a cidade de Cachoeiras de Macacu atrás, os Três Picos e Capacete e a Pedra do Sino em Teresópolis.
Há duas considerações importantes a respeito do Caledônia. A primeira diz respeito a sua altitude. Numa placa situada ao lado da casa dos guardas, a Petrobrás afirma que a altitude no cume é de 2.219 metros. No entanto há um marco do IBGE colocado no cume da montanha que indica a altitude de 2.018 metros.
De acordo com o meu altímetro, o primeiro valor é o correto.
A segunda consideração diz respeito ao ponto culminante de Nova Friburgo. Para a grande maioria dos friburguenses, o Caledônia é o ponto mais alto do município.
Mas esta não é a verdade. O ponto mais de alto de Nova Friburgo é o Pico Maior, montanha situada em Três Picos, com altitude acima de 2.330 metros.
Os Três Picos não constam nos mapas dos aeronautas e por esta razão o Pico Maior não é considerado o ponto culminante.
O Caledônia é uma das montanhas de mais fácil acesso de Nova Friburgo, e também uma das mais altas. Como as demais montanhas, deve ser visitado preferencialmente no inverno, devido as chuvas que diminuem nesta época do ano.
É conveniente levar um bom agasalho. No inverno de 2000 a temperatura chegou a -3 graus centígrados. Somando isto às fortes rajadas de vento, a sensação de frio é insuportável.
Há muitos locais para boas fotos, afinal para qualquer lado que se olha pode-se observar o horizonte.
Não é permitido levar filmadoras, pois os técnicos alegam que elas podem causar interferências nos sinais transmitidos pelas torres.
 

Canoa Quebrada

Localizada no município de Aracati a 154 km de Fortaleza.
A 12 km da sede do município, praia em frente à pequena enseada situada na base de falésias com areia colorida.

O núcleo situa-se em cima de falésia, de onde avista-se toda a costa que vai do rio Jaguaribe até a Ponta Grossa.

Por trás da falésia, as dunas brancas e móveis encontram a vegetação interior; as lagoas e os alagados em meio ao carnaubal e coqueiros complementam a paisagem.

 

Caponga

No município de Cascavel a 69 km de Fortaleza.

A 12 km da sede municipal, praia mais ocupada do município e maior núcleo de pesca em jangada situa-se em pequena enseada que não permite fundeadouro apenas ancoradouro.

A área tem a barra do Caponga Fundo, que no interior liga-se ao sangradouro da Lagoa de Velha Ana, por trás das altas dunas; grande coqueiral contorna os espelhos d'água e as áreas mais bonitas ainda estão sem ocupação.

 

 

Chapada Diamantina

A Chapada Diamantina está localizada no interior da Bahia, a cerca de 420 km de Salvador. Trata-se de um complexo de platôs isolados por vales profundos onde o ouro e o diamante já foram abundantes à flor da terra. Pelas inúmeras trilhas chega-se a grutas, cachoeiras, lagos subterrâneos, chapadões e penhascos com altitudes em torno de 1.000 m
Considerada um dos melhores lugares do país para caminhadas, a Chapada Diamantina tem ecossistemas variados e plantas endêmicas, como a canela-de-ema. Há milhões de anos, a região era coberta pelo mar - há conchas na areia das grutas.

A mais famosa delas é o Poço Encantado, uma caverna com 61 m de profundidade e águas ricas em calcário, o que lhes confere transparência. De junho a agosto, o sol penetra na gruta, dando à água a cor turquesa. Também podem ser visitadas a Pratinha, onde corre um rio com 32 espécies de peixes, e a gruta do Lapão, onde é praticado o rapel. Na Gruta da Lapa Doce caminha-se por um túnel de cerca de 800 m de extensão.
Em 1985 foi criado o Parque Nacional da Chapada Diamantina, na serra do Sincorá.

Vila Rica da Bahia - A história da região é marcada por sucessivas investidas de garimpeiros em busca de ouro e diamante, nos séculos 18 e 19. A riqueza dos minérios bancou a construção de grandes casarões e igrejas de valor histórico, principalmente nas cidades de Lençóis, Andaraí e Mucugê. Lençóis chegou a ter um consulado francês e era considerada a Vila Rica da Bahia. Até hoje há garimpeiros tentando a sorte em seus arredores.

Cachoeiras - Os passeios vão desde caminhadas de uma hora até travessias de mais de três dias. A trilha de Lençóis até o Vale do Paty é considerada uma das mais bonitas do país. Passa pela vila do Capão, onde está a Cachoeira da Fumaça, a mais alta do Brasil, com 422 m.

Oficialmente chamada de Glass, a Cachoeira da Fumaça pode ser conhecida por duas trilhas. A primeira sai do Vale do Capão e em uma hora e meia leva ao platô de onde se avista o Vale da Fumaça. A outra trilha exige três dias de trekking e chega à cachoeira pelo vale, passando pela cachoeira do Palmital e pela serra do Veneno, onde ficava o maior garimpo de diamantes da região.

Escorrega - Na Chapada Diamantina são muitos os lugares que só podem ser conhecidos a pé. As cachoeiras do Serrano, com várias piscinas naturais, e o tobogã do Ribeirão do Meio são passeios fáceis, a poucos minutos de Lençóis. Já a cachoeira do Sossego exige um pouco mais de fôlego para subir o Ribeirão pelo seu leito, em um cânion com dezenas de metros de profundidade.

De carro - O Morro do Pai Inácio, a imagem mais conhecida da chapada, tem fácil acesso. Chega-se ali de carro e a subida até o topo, a 150 m de altura, não oferece dificuldade. De lá avista-se o Morro do Camelo (ou Calumbi) e o Morrão.

Xique-Xique do Igatu é uma cidade-fantasma, com ruas pavimentadas e casas de pedra em ruínas. Em Mucugê, a atração é o cemitério de Santa Isabel: o solo de pedra fez com que os túmulos, pintados de branco, fossem construídos sobre a terra.

Chapada dos Veadeiros

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está localizado no Estado de Goiás, aprox. 250km ao norte de Brasília e é um dos mais belos e mais bem organizados Parques Nacionais do Brasil.

O Parque, antigo P.N. de Tocantins, foi criado em 1961 e tem uma área de aproximadamente 60.000 hec, a vegetação predominante é o cerrado.

Com um solo rico em cristais de quartzo, a Chapada dos Veadeiros é considerada pelos esotéricos um lugar com grande concentração de energia mística. Mas não precisa ser conhecedor de esoterismo para sentir a energia que emana desse lugar, nas diversas trilhas, muitas são cobertas de cristais e cercadas de belíssimos visuais, as imensas cachoeiras de águas límpidas, os Canyons, um deles com diversos trampolins naturais de 8 a 13 metros de alturas.

Existem lugares exóticos como o Vale da Lua, cartão postal da Chapada, que recebe esse nome devido às suas crateras, que foram esculpidas pela água.

Existem ainda diversas cachoeiras fora do Parque, em propriedades particulares mas com acesso permitido como a Cachoeira Raizama e São Bento, pinturas rupestres e piscinas de águas quentes. No meio do ano a Chapada nos proporciona mais uma beleza, que é o cerrado estar todo florido, existe uma infinidade de tipos diferentes de flores dotadas de rara beleza, compondo uma paisagem bela e exótica.

O nível de dificuldade das caminhadas é médio, com trilhas longas, porém fáceis, ideal para quem gosta de caminhar mantendo um contato direto com a natureza, sentindo toda sua energia e esplendor.

Foz do Iguaçu

A principal atração desta cidade do extremo oeste do Paraná, na fronteira com o Paraguai e a Argentina, são as Cataratas do Iguaçu, no Parque Nacional do Iguaçu, tombado como Patrimônio Natural da Humanidade em 1986.
As cataratas têm formato semicircular, com cerca de 2.700 m de largura, e quedas de até 72 m, com vazão média de 1.500 m³/s. O número de saltos varia de 150 a 300, dependendo da vazão do rio. Um dos mais bonitos é o da Garganta do Diabo, em forma de ferradura e com 90 m de altura. O rio Iguaçu faz a divisa entre o Brasil e a Argentina. O lado brasileiro das cataratas tem melhor infra-estrutura turística, mas a melhor vista para as quedas fica no lado argentino

As cataratas foram descobertas em 1542 e o maior responsável pela criação do parque nacional foi Santos Dumont, homenageado com uma estátua no centro de visitantes.

Ali, no museu instalado em casarão da década de 40, estão expostos animais empalhados, minerais da região, objetos indígenas e artesanato da nação tupi-guarani. Na parte externa do museu, uma escadaria de aproximadamente 1 km desce até a margem do rio.

O Parque Nacional do Iguaçu é um dos maiores do Brasil, e um dos poucos ecossistemas onde ainda é possível encontrar espécies como onça-pintada, veado, guaxinim, macaco-prego e o jacaré-do-papo-amarelo.

O Parque das Aves é uma área dentro do parque nacional onde o turista caminha por uma trilha de 800 m entre viveiros integrados à floresta nativa. É permitida a entrada nos viveiros para acompanhar a revoada das mais de 500 aves de espécies de todo o mundo. O parque possui também um programa de reprodução em cativeiro, de educação ambiental e visitas com acompanhamento de biólogos.

Ilha do Mel

Lugar onde a natureza permanece intocada, a Reserva Ecológica da Ilha do Mel está localizada próxima de Paranaguá, no Paraná.
Para atingi-la é necessário meia hora de travessia de barco, por vezes acompanhados de golfinhos.
No passeio recomenda-se caminhadas até o Forte e o Farol das Conchas, além da caminhada até a praia de Encantadas, saindo da praia do Forte, passando pela praia do Farol, do Miguel e muitas outras.

Combinando a este passeio, pode-se fazer a descida da serra na famosa Litorina (Trem especial para turismo), de onde vislumbra-se entre outras montanhas, pontes e túneis o famoso conjunto Marumbi.
No final, uma parada em Morretes para comer o Barreado, um prato tradicional muito saboroso da região".
 

Imperador

A partir do centro de Nova Friburgo pode-se tomar o microônibus rumo ao bairro de Marechal Rondon. O ônibus passa antes pelos bairros de Olaria e Cônego respectivamente. Desça no ponto final do ônibus, onde termina o asfalto.
A caminhada se inicia na estrada de chão. Pode-se ir por ela, passando por umas casas com alguns cães! Mas o melhor é subir diretamente um pasto em direção ao dorso da pedra. É uma subida muito inclinada mas que vale a pena por dois motivos: Não será necessário enfrentar os cães e pode-se escalar vários blocos de pedra pelo caminho. Quem sabe você gosta da brincadeira!!??
Ao final do pasto chega-se a um local onde há uma pequena construção e espaço para estacionar e manobrar carros. Só é aconselhável ir de carro se ele for alto, pois há pedras pelo caminho que poderão deixá-lo a pé!

Deste local já é possível ver de um lado os bairros friburguenses de Mury, Ponte da Saudade, Varginha, Braunes, Cordoeira, Centro, Suspiro e Olaria, e do outro lado os bairros do Cônego, Marechal Rondon e Cascatinha.
Aí começa realmente a subida do Imperador, pelo seu dorso. É um caminho todo em lajotões que vai até o cume da montanha, à 1.440 metros. Do cume da montanha você verá as montanhas do Porcelet, Catarina Mãe, Filha e Pai, Duas Pedras, Nariz do Diabo, Caledônia e se o tempo estiver bom, os Três Picos e Capacete.
Após o cume pode-se descer um pouco para o outro lado da montanha passando-se pela torre da TV Serra+Mar e indo até um gruta onde há uma santa. Não há descida por este lado e ele é um pouco perigoso!
Quando voltar não entre diretamente no pasto por onde subiu. Siga um pouco pela estrada, pois há uma nascente logo a frente. Desça após a nascente para evitar os cães!
Chegando ao ponto final do ônibus, pode-se esperar outro microônibus ou descer tudo até o bairro do Cônego, onde há mais opções de ônibus para voltar ao Centro.
 

Itatiaia

O Parque Nacional de Itatiaia localizado na Serra da Mantiqueira, próximo a divisa dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, a aproximadamente 350Km de Campinas, apresenta paisagens exuberantes em meio ao seu relevo montanhoso.

Dentre seus atrativos destacam-se principalmente o Pico das Agulhas Negras com 2.797 metros, o Pico das Prateleiras, a pedra do Altar e o Vale do Airuoca, todos localizados na parte alta do parque. De cima de cada um desses picos há visuais incríveis do Vale e das cidades ao redor.

Na parte baixa do parque encontramos diversas cachoeiras, formadas pelo leito do Rio Campo Belo, como a cachoeira Véu de Noiva com 30metros de altura, Poranga, Itaporani, dentre outras.

Por ser um parque de montanha, Itatiaia é uma ótima opção para a prática de montanhismo e escalada. Além dos picos já mencionados, existem ainda diversas rochas menores com ótimas vias de escalada esportiva.
Na parte alta do parque as caminhadas são de nível médio, porém com muitas subidas e descidas, o que as tornam exaustivas. Já no parque baixo, as caminhadas são fáceis e com pouco desnível.
No inverno a temperatura pode chegar a 8 graus negativos, o que proporciona aos turistas um clima pouco comum nessa parte do Brasil, pela manhã há gelo pelo chão e as janelas do Hotel, assim como as barracas do camping acumulam gelo em seu exterior. A vegetação também é típica de montanhas, passando de bosques de pinheiros e araucárias nativas até a vegetação tipica de planaltos.
Itatiaia é um lugar para quem gosta de alturas, altas caminhadas e muitas aventuras!!
 

Machu_Picchu

Machu Picchu, que em Quechua (língua falada pelos antigos Incas e ainda hoje por grande parte do povo nativo do Peru e da Bolívia) significa montanha velha e é o nome dado a um impressionante e muito bem conservado conjunto de ruínas Incas, visitada por estudiosos do mundo inteiro que tentam justificar a sua existência, suas formas, sua arquitetura e seu propósito.
É recomendado conhecer a antiga "Cidade Sagrada dos Incas", como também, percorrer o Altiplano Andino.
Partindo de La Paz (3.800m), capital da Bolívia, encontram-se ruínas de outras civilizações pré-incaicas, como Tiwanaku.  Partindo de Puno navega-se pelo lago Titicaca (4.200m), o lago navegável mais alto do mundo, e tem a oportunidade de se conhecer as Ilhas flutuantes de Uros. É possível dormir nas casas dos nativos na ilha Amantani.
A viagem pode ser toda personalizada de acordo com o seu tempo disponível. Existem inúmeras possibilidades de atrações para sua escolha. Desde viagens de 5 dias até 30 dias.
Dicas de viagem:
- É mais fácil viajar com mochilas do que com malas, sendo que a mochila é indispensável para a trilha (homens aprox. 90 litros e mulheres aprox. 75 litros).
- Levar dólares trocados (notas de 10 e 20) e em boas condições. É muito comum a falta de troco e não aceitarem notas em mau estado ou riscadas (carimbadas).
- Fica-se sempre no Altiplano e à noite é frio. Levar luvas e gorro.
- Não tomar água ou suco local, sempre mineral e engarrafada.
- Levar:
* Roupa de banho e higiene pessoal, inclusive Papel Higiênico.
* Porta documentos (para andar sempre com os valores junto ao corpo).
* Máquina fotográfica, filmes e pilhas extras.
* Cordinha para amarrar a mochila.
* Passaporte.
* Carteirinha internacional de vacinação contra febre amarela.
* Pouca bagagem.
 

Majorlândia

Situada no município de Aracati a 154 km de Fortaleza.

A 12 km de Canoa Quebrada, praia mais habitada do município, em meio a denso coqueiral, diluindo-se sobre as falésias vermelhas de um lado do núcleo e falésias brancas na direção oposta. O núcleo de pescadores integra-se ao núcleo urbano turístico.

As areias coloridas e o artesanato proveniente das mesmas fizeram o nome do local.

As jangadas em grande número fazem um conjunto e complementam com suas velas a paisagem local, ancoradas ao largo da praia; as nascentes, com banhos de bica, constituem um atrativo a mais.

 

 

Maragogi

Maragogi, no litoral norte de Alagoas, é privilegiada por cores e formas. De Mata atlântica à piscinas naturais, de rios à corais, de algas marinhas à coqueirais, Maragogi tem ainda como cúmplices o Sol e a Lua.

 

 

 

 

Morro Branco

Situada no município de Beberibe a 80 km de Fortaleza. À 4 km da sede, praia extensa ao longo de fabuloso conjunto de falésias de areias coloridas, onde é constante a formação de cavernas e a existência de nascentes; meio ambiente sensível, pois, as mesmas estão sujeitas a ação do mar.

As falésias constituem um platô que permitem visão panorâmica do litoral leste. Não deixe de tomar um banho agradável no mar e nas bicas protegidas. Por trás das falésias, as dunas de areia branca represam as águas da Lagoa de Trauá, onde a vegetação é verdejante e variada.

 

 

Parajuru

Situada no município de Beberibe. Praia plana, larga e extensa, de areias brancas; o ponto notável de área é a barra do Rio Pitanji, com seus alagados, espelhos d'água e o verde denso dos mangues.

As jangadas ancoram na praia, e o núcleo de pescadores fica situado longe desta; na barra da Pirangi e ao longo deste, a navegação de barcos lagosteiros, de transporte de sal, é possível até 2 km.

 

 

Peito de Pombo

De carro a partir do Centro de Nova Friburgo, deve-se ir até o distrito de Lumiar, percorrendo um total de 33 Km. A estrada mesmo sendo asfaltada possui muitos trechos perigosos e requer cautela por parte do motorista.
Chegando em Lumiar é só entrar na estrada conhecida como "serra-mar" que liga Nova Friburgo ao município de Casimiro de Abreu. Esta estrada possui 38 Km, é de chão e está sempre em péssimas condições. Felizmente a entrada para o Sana fica bem antes do seu fim.
Seguindo a estrada "serra-mar" passa-se pelas entradas das localidades de Cascata e São Romão respectivamente, e 3 Km a frente do lado esquerdo está a entrada para o Sana, perto de um bar.
Informe-se no Sana sobre como chegar até o camping onde se inicia a caminhada. Do centro de Nova Friburgo até o Sana são aproximadamente 66 quilômetros.
A caminhada se inicia num camping que é uma reserva ambiental particular, que possui o nome de seu primeiro dono, Oscar de Jesus. Logo no início da caminhada atravessa-se um rio de águas cristalinas. Daí em diante só trilhas.

Há muitas casas pelo caminho e até campings particulares. O material usado para a construção dessas casas foi todo transportado em lombo de burros. A caminhada segue o curso do rio e passa por várias cachoeiras. Dentre elas destacam-se Cachoeira Mãe e Cachoeiras de Veludo. Vale a pena conhecê-las, mas cuidado com a correnteza!
Logo após uma casa redonda, depois de uma hora e meia de caminhada, é preciso atravessar um córrego e iniciar o trecho mais penoso da caminhada. Cruze um longo e inclinado pasto e então entre na mata atlântica. Há um córrego excelente, parada obrigatória para um lanche e para retomar as energias.
Após subir um trecho muito inclinado, precisando às vezes se segurar às raízes das árvores, chega-se a um paredão, onde sem tem uma bela visão do Peito de Pombo, conforme foto ao lado. O Peito de Pombo é a pedra do meio.
A partir daí é só costear o paredão e subir um barranco. Chega-se então em cima da primeira pedra. Aí é ponto final para a caminhada. É possível circular ao redor do peito de pombo tranqüilamente.
A visão é incrível. É possível ver o litoral do município de Macaé e algumas ilhas. Do lado esquerdo vê-se várias montanhas, onde se destaca a montanha do frade, com sua ponta aguda.
Para chegar na última pedra, só fazendo uma escalada.

Porto das Dunas

Localizada no município de Aquiraz, a 22 km de Fortaleza e a 3 km da Prainha, onde está localizado o complexo turístico do Beach Park - parque aquático com serviços de bar, restaurante e equipamentos de esportes náuticos, buggys e ultra-leves.

 

 

 

 

Redonda

Situada no município de Icapuí. A 18 km da sede, praia na enseada protegida pela Ponta da Redonda, falésias de areias e pedras coloridas de grande beleza, é uma ponta rochosa muita alta com rochas pontinhando todo o mar a sua frente.

O núcleo primitivo situa-se ao pé da rocha em forma linear, e seu ancoradouro à frente; o acesso é apenas pela praia.

 

 

Salto dos Macacos

Precipita-se de uma queda de 70 metros, formando uma fantástica piscina natural.

Logo à baixo forma outro salto "redondo", com 30 metros de queda livre, proporcionando um maravilhoso espetáculo.

 

 


 

Serra da Canastra

O Parque Nacional da Serra da Canastra foi criado em 1972. Está localizado no sudoeste do Estado de MG, a aproximadamente 350km de Campinas. No Parque está localizada a nascente de um dos rios mais importantes do nosso país, o Rio São Francisco, que se apresenta em forma de piscinas naturais e inúmeras cachoeiras, como as Cachoeiras Casca D’Anta de Cima e Casca D’Anta de Baixo, possuindo esta uma linda queda de aproximadamente 200m.

Além da beleza de todas as cachoeiras e piscinas, o Parque Nacional da Serra da Canastra apresenta ainda visuais incríveis do seu relevo e sua flora, onde predomina o cerrado. O Parque abriga ainda várias espécies da fauna brasileira, algumas delas ameaçadas de extinção, como o lobo Guará, o tamanduá Bandeira, o urubu Rei, Tucanos e o veado Campeiro. Com um pouco de sorte, nos dias em que o número de turistas não é muito grande, pode-se observar esses animais em seus habitats naturais.

 

 

Serra do Cipó

O P.N. da Serra do Cipó está localizado a aproximadamente 110km ao norte da capital de MG, Belo Horizonte. Além de uma natureza exuberante, a Serra do Cipó é um lugar propício para a prática de diversas atividades outdoor, tais como: Trekking, Mountain Bike, Canyoning e Escalada Esportiva (escalada em vias curtas mas de alto nível técnico), considerada o melhor  lugar para esse tipo de escalada no Brasil.

Esse é um lugar ideal para quem gosta de estar em contato com a natureza, conhecer lugares diferentes de tudo o que já se conhece, andar e fotografar.

Existem diversas trilhas, cercadas de belos visuais, que nos levam a inúmeras cachoeiras com piscinas naturais, a canyons e enormes paredões de rochas.

 

 

 

Três Picos

A região dos Três Picos fica numa das regiões mais bonita de Nova Friburgo. Em nenhum outro lugar do estado do Rio de Janeiro podemos encontrar uma formação rochosa como esta.
Trata-se de 4 montanhas, todas acima de 2100 metros de altitude, bem próximas uma das outras. Destas quatro montanhas, a mais alta e a mais baixa, Pico Maior e Capacete respectivamente, só são accessíveis por vias de escalada.
Já as outras duas, chamadas de Pico Menor e Pico Médio são acessíveis por caminhada ou por escalada.
Estas 4 montanhas não são a única atração neste local. Há ainda a pedra conhecida como Caixa de Fósforos e também o Morro dos Macacos e Cabeça de Dragão.


É possível sair do centro de Nova Friburgo e ir até os Três Picos fazer uma caminhada e voltar no mesmo dia, basta ter EXCELENTE preparo físico. Porém para desfrutar de todas as belezas que este local oferece é fundamental que se monte acampamento. Acampando você vai se cansar bem menos e aproveitar bem mais.
Para chegar aos Três Picos de ônibus há duas formas. A primeira é tomar o ônibus rumo a São Lourenço e saltar na entrada dos Três Picos, perto de uma igreja. A segunda é tomar o ônibus de Santa Cruz e saltar no ponto final, onde há uma igreja e uma grande árvore onde o ônibus faz a manobra.
A primeira forma é a mais praticada, então quando saltar do ônibus de São Lourenço na entrada dos Três Picos, você estará a 1020 metros de altitude. Do centro de Nova Friburgo até aí são 38 quilômetros. Aí começa a caminhada que vai até o ponto de acampamento a 1560 metros de altitude, ou seja, o desnível será de 540 metros.
A caminhada que dura aproximadamente 2 horas e meia, começa atravessando-se uma ponte e seguindo a estrada de chão. Aí do lado direito há ruínas de casas que pertenceram aos primeiros colonizadores friburguenses. Siga sempre a estrada principal. O próximo ponto de referência é o IBelga (Instituto Belga), entidade mantida pelo governo da Bélgica que visa o aperfeiçoamento da atividade agrícola da região. A estrada passa ao lado dele.
Daí em diante a inclinação das ladeiras começa a aumentar e vai assim até o "pé do pasto".
O pasto é o trecho mais penoso de toda a caminhada até o ponto de acampamento. Do ponto onde se salta até aí são 5 Km de caminhada e a altitude neste ponto é de 1360 metros.
Fazendo as contas temos um desnível de 340 metros em 5 Km, o que dá a média de 68 metros/Km. Um bom valor...
Agora teremos um desnível de 200 metros em 1 Km. Um valor bem pesado até para aqueles que estão acostumados a caminhar. A estrada sobe todo o pasto em zigue-zague.
A foto ao lado mostra bem o contraste da vegetação de acordo com as estações do ano. Durante o verão, mesmo com o dia nublado, a temperatura é alta e as chuvas constantes.
Nada melhor que um banho num riacho de águas cristalinas para refrescar e animar antes de subir o trecho mais penoso da caminhada.
Este riacho nasce bem próximo à base do Pico Maior. É na sua nascente que abastecemos os cantis antes das escaladas nos paredões daquele lado.
No final do pasto há uma porteira e uma placa indicando propriedade particular. No entanto o atual proprietário não se importa que alguém entre em sua propriedade, desde que seja para apreciá-la. FAROFEIROS NÃO SÃO BEM VINDOS AÍ!!!! Nem pelo proprietário e muito menos pelos outros eco-turistas que estão aí freqüentemente.
Após 2 horas e meia de caminhada chega-se ao campo base para acampamento. Aí será o ponto de partida para todas as caminhadas e escaladas.


VOLTAR

 

 

Copyright (c) 2008. Gold Star Turismo - Todos os direitos reservados